out 16

Posso votar no PT? 

(uma questão moral)


1. Existe algum partido da Igreja Católica?

A Igreja, justamente por ser católica, isto é, universal, não pode estar confinada a um partido político. Ela "não se confunde de modo algum com a comunidade política"[1] e admite que os cidadãos tenham "opiniões legítimas, mas discordantes entre si, sobre a organização da realidade temporal"[2].

 

2. Então os fiéis católicos podem-se filiar a qualquer partido?

Não. Há partidos que abusam da pluralidade de opinião para defender atentados contra a lei moral, como o aborto e o casamento de pessoas do mesmo sexo. "Faz parte da missão da Igreja emitir juízo moral também sobre as realidades que dizem respeito à ordem política, quando o exijam os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas"[3].

 

3. O Partido dos Trabalhadores (PT) defende algum atentado contra a lei moral?

Sim. No 3º Congresso do PT, ocorrido entre agosto e setembro de 2007, foi aprovada a resolução "Por um Brasil de mulheres e homens livres e iguais", que inclui a "defesa da autodeterminação das mulheres, dadescriminalização do aborto e regulamentação do atendimento a todos os casos no serviço público"[4].

 

4. Todo político filiado ao PT é obrigado a acatar essa resolução? 

Sim. Para ser candidato pelo PT é obrigatória a assinatura doCompromisso do Candidato Petista, que "indicará que o candidato está previamente de acordo com as normas e resoluções do Partido, em relação tanto à campanha como ao exercício do mandato" (Estatuto do PT, art. 128, §1º[5]).

 

5. Que ocorre se o político contrariar uma resolução do Partido como essa, que apoia o aborto?

Em tal caso, ele "será passível de punição, que poderá ir da simples advertência até o desligamento do Partido com renúncia obrigatória ao mandato" (Estatuto do PT, art. 128, §2º). Em 17 de setembro de 2009, dois deputados foram punidos pelo Diretório Nacional. O motivo alegado é que eles "infringiram a ética-partidária ao 'militarem' contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT a respeito da descriminalização do aborto"[6].

 

6. O PT agiu mal ao punir esses dois deputados?

Agiu mal, mas agiu coerentemente. Sendo um partido abortista, o PT é coerente ao não tolerar defensores da vida em seu meio. A mesma coerência devem ter os cristãos não votando no PT.

 

7. Mas eu conheço abortistas que pertencem a outros partidos, como o PSDB, o PMDB, o DEM…

Os políticos que pertencem a esses partidos podem ser abortistas por opção própria, mas não por obrigação partidária. Ao contrário, todo político filiado ao PT está comprometido com o aborto.

 

8. Talvez haja algum político que se tenha filiado ao PT sem prestar atenção ao compromisso pró-aborto que estava assinando…

Nesse caso, é dever do político pró-vida desfiliar-se do PT, após ter verificado o engano cometido.

 

9. Houve políticos que deixaram o PT e se filiaram ao Partido Verde (PV). Os cristãos podem votar neles?

Infelizmente não. Ao deixarem o PT e se filiarem ao PV, eles trocaram o seis pela meia dúzia. O PV é outro partido que exige de seus filiados a adesão à causa abortista. Seu estatuto diz: "São deveres dos filiados ao PV:obedecer ao Programa e ao Estatuto" (art. 12, a )[7]E o Programa do PV, ao qual todo filiado deve obedecer, defende a "legalização da interrupção voluntária da gravidez"[8].

 

10. Que falta comete um cristão que vota em um candidato de um partido abortista, como o PT?

Se o cristão vota no PT consciente de tudo quanto foi dito acima, comete pecado grave, porque coopera conscientemente com um pecado grave. OCatecismo da Igreja Católica (n. 1868) ensina sobre a cooperação com o pecado de outra pessoa: "O pecado é um ato pessoal. Além disso, temos responsabilidade nos pecados cometidos por outros, quando neles cooperamos: participando neles direta e voluntariamente; mandando, aconselhando, louvando ou aprovando esses pecados; não os revelando ou não os impedindo, quando a isso somos obrigados; protegendo os que fazem o mal." Ora, quem vota no PT, de fato aprova, ou seja, contribui com seu voto para que possa ser praticado o que constitui um pecado grave.

 

PT: Partido ou Religião?

 

Quando um cidadão encontra o Partido dos Trabalhadores, encontra um tesouro. Vale a pena vender tudo para comprar o campo onde o tesouro está enterrado. O PT não é o melhor dos partidos políticos. É o único partido verdadeiro. Os outros são simulacros de partido.

A alegria de ter encontrado a verdade, faz com que o cidadão, para filiar-se ao PT, renuncie a tudo. Uma vez filiado, ele não terá mais direito de escolher seus candidatos. Seu dever será "votar nos candidatos indicados" pelo Partido. (Estatuto do Partido dos Trabalhadores, aprovado em 05/10/2007, art. 14, inciso VI). Se for candidato a um mandato parlamentar, deverá reconhecer expressamente que o mandato não é seu, mas que "pertence ao partido" (art. 69, inciso I). A obediência ao Partido é sagrada. Está acima de tudo: de suas opiniões pessoais, de suas convicções, das reivindicações dos eleitores. Só em casos extremamente excepcionais, o parlamentar poderá ser dispensado de cumprir as ordens do alto, para seguir sua consciência ou o clamor dos que nele votaram (art. 67 § 2º).

Com alegria o filiado pagará anualmente uma contribuição proporcional ao seu rendimento (art. 170). Se ocupar um cargo executivo ou legislativo, a contribuição não será anual, mas mensal, obedecendo a uma tabela progressiva (art. 171 e 173). Mas a alegria de ser filho do verdadeiro Partido faz com que todas essas imposições pareçam leves.

Dentro do Partido, zela-se não só pela unidade ("que todos sejam um"), mas pela uniformidade. Frações, públicas ou internas ao Partido, são expressamente proibidas (art. 233 §4º). No entanto, os filiados podem organizar-se em "tendências" (art. 233). Estas, porém, estão submissas às decisões partidárias e ao encaminhamento prático do Partido (art. 238). Nenhum filiado poderia, por exemplo, organizar uma tendência para combater o "casamento" de homossexuais ou a legalização do aborto, que são bandeiras do Partido. As tendências não podem ter sedes próprias (art. 235 "caput"), não podem reunir-se com não-filiados (art. 235 §3º) e não podem difundir suas posições fora do Partido (art. 236 §1º). Mesmo que uma tendência deseje publicar documentos seus contendo posições oficiais do Partido, está proibida de fazê-lo (art. 236 §2º). O petista submete-se a todo este mecanismo de controle, ciente de que o Partido sabe o que faz.

Se sou vereador e o Partido me proíbe de propor um projeto de lei pró-vida, não tenho motivo para reclamar. O Partido deve ter suas razões. Se sou senador e cabe a mim a tarefa de emitir um relatório sobre um projeto de aborto, eu, por fidelidade ao PT, não posso manifestar-me contra a proposta. Devo agradecer ao Partido por ele, benignamente, permitir que eu passe o encargo de relator a um colega abortista. Se sou deputado federal e o Partido manda que eu me ausente de uma sessão deliberativa, onde meu voto, contrário ao aborto, atrapalhará a aprovação de um projeto, a resignação será minha melhor atitude.

Tudo isso e muito mais vale a pena. Pois todos os outros partidos são comprometidos com as oligarquias, com o neoliberalismo, com a classe dos opressores, e não dão importância aos pobres, aos excluídos, aos marginalizados, aos explorados, aos sem voz e sem vez. Pertencer ao PT é uma glória tão grande que justifica qualquer custo.

Se sou petista, pouco me importa que Lula e Fidel Castro tenham fundado em 1990 o Foro de São Paulo para fortalecer a ditadura cubana, após a queda da União Soviética.

Se sou petista, não quero saber por que durante anos nenhum parlamentar petista, desde a mais humilde Câmara Municipal até o Senado Federal, ousou propor um projeto de lei antiabortista. Nem me interessa questionar a punição de dois deputados que ousaram apresentar propostas legislativas pró-vida.

Se sou petista, pouco me importa que Dilma Rousseff defenda a legalização do aborto como "questão de saúde pública"[9]. Muito menos que Dilma e Lula tenham assinado em dezembro de 2009, o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos, que defende a descriminalização do aborto, o reconhecimento da prostituição como uma profissão, a união civil de pessoas do mesmo sexo e a adoção de crianças por duplas homossexuais[10].

Aliás, o bom petista jamais chegaria até esta linha do artigo. Muito antes já teria parado a leitura por considerá-la perigosa à fé que ele tem no Partido.

Agora, uma pergunta final, com vistas às eleições de outubro: pode um cristão votar no PT? Só há um jeito: trocar sua Certidão de Batismo pela Certidão de Petismo. Duas religiões antagônicas não podem coexistir num mesmo fiel.

 

Um cristão não pode apoiar com seu voto um candidato comprometido com o aborto:

  • Ou pela pertença a um partido que obriga o candidato a esse compromisso (caso do PT).
  • Ou por opção pessoal.

 

 

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz.

[1] Concílio Vaticano II, Constituição Pastoral "Gaudium et Spes", n. 76.

[2] Concílio Vaticano II, Constituição Pastoral "Gaudium et Spes", n. 75.

 

Creditos: www.homemculto.com

jun 16

Temos visto um grande esforço e movimentação intensa do governo para acabar com o cristianismo no brasil. Aprovações de leis contra a vida que a cada dia que passa da um passo a mais em seus objetivos. O movimento Gayzista que querem que nossos filhos a parti dos seis anos de idade, tenha contato com sexo, e aprendam que ser gay é norma, é bom. Agora (06/2012) ouvimos boatos que a nossa presidente Dilma que proibir programações religiosas em horário nobre (18:00 as 00:00 hora). Digo boatos porque não nada as claras, eles fazem um grande esforço para ficar tudo escondido. Podemos ver nitidamente que o governo quer eliminar o cristianismo do Brasil, acabando com os valores cristãos. Querem principalmente acabar com a igreja Católica. Isso não é só no Brasil, mas no mundo!

E é muito triste e desesperador ver os representantes dos cristãos, calados. Vemos os esforços dos evangélicos, que corajosamente colocam a cabeça a premio para defender os valores cristãos. Creio que o meu sentimento referente ao Gabriel Chalita é o sentimento de muitos Católicos que confiaram nele os seus votos. Estes votos foram dados ao próprio discípulo de satanás. Não vimos o Chalita uma vez defendendo a vida e os valores cristãos, ao contrario, sempre aliado aos comunistas “pró-morte”. Traidor de Cristo vai queimar no inferno ao lado das pessoas para quem se vendeu.

Até quando vamos ver a nossa amada igreja Católica calada, bispos e padres covardes preocupados com outras coisas ao invés de se preocuparem com as coisas de Deus. Apostatas que se preocupam com sua imagem e querem ser pacifistas, que na verdade são traidores de Jesus Cristo. Não dão a cara pra bater, não defendem nossa fé, não denunciam como João Batista porque tem medo de perderem a cabeça. 

Mas acho que estou exigindo muito. Na verdade a grande maioria dos nossos bispos e padres não ensina a verdade nem mesmo dentro das nossas igrejas. Os fiéis Católicos são verdadeiros ignorantes em suas doutrinas e fé. Não se vê um padre devorar os documentos da igreja para seus fiéis. Não se vê um padre exorta seu povo dos seus pecados sem respeito humano, não se vê um padre amando as almas querendo salva-las doando sua própria vida. Vemos frases linda, cheias de flores e perfumes, grandes poesias. Mas que não levam ninguém à conversão. Os que dizem a verdade são perseguidos, e certamente a cada dia que passa serão muito mais humilhados e flagelados em suas almas. Um verdadeiro martírio incruento.

Nós Católicos cristãos somos um grande exercito hibernado, adormecido que com muita luta podemos devastar com as trevas que avançam. Mas precisamos que nossos lideres acordem e levante a espada da fé inflamada com o poder de Deus. Precisamos acabar com esta situação de juventude hipnotizada pelas delicias do mundo e relativismo. Precisamos parar com nossos discursos hipócritas, é necessário viver a verdade e assim anunciar e denunciar. Vejo que é preciso dar um choque em nossa igreja e principalmente em nossa juventude, para que acorde deste sono profundo.

As trevas avançam descaradamente esmagando almas e precisamos reagir.

Acorda Igreja Católica.

 

OS GAYZISTAS

out 08

Pe. José Augusto da Canção Nova, em uma homilia profética diz a verdade sobre a situação do nosso pais, e incentiva o povo cristão a se pronunciar em massa. Contra o Aborto, A Favor da Vida!!

 

ago 20

RIO - A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma carta na última segunda-feira na qual pede que os fiéis não votem na candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff.

Leia a carta na íntegra:

"Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus

"Com esta frase Jesus definiu bem a autonomia e o respeito, que deve haver entre a política (César) e a religião (Deus). Por isto a Igreja não se posiciona nem faz campanha a favor de nenhum partido ou candidato, mas faz parte da sua missão zelar para que o que é de "Deus" não seja manipulado ou usurpado por "César" e vice-versa.

"Quando acontece essa usurpação ou manipulação é dever da Igreja intervir convidando a não votar em partido ou candidato que torne perigosa a liberdade religiosa e de consciência ou desrespeito à vida humana e aos valores da família, pois tudo isso é de Deus e não de César. Vice-versa extrapola da missão da Igreja querer dominar ou substituir-se ao estado, pois neste caso ela estaria usurpando o que é de César e não de Deus.

"Já na campanha eleitoral de 1996, denunciei um candidato que ofendeu pública e comprovadamente a Igreja, pois esta atitude foi uma usurpação por parte de César daquilo que é de Deus, ou seja o respeito à liberdade religiosa.

"Na atual conjuntura política o Partido dos Trabalhadores (PT) através de seu IIIº e IVº Congressos Nacionais (2007 e 2010 respectivamente), ratificando o 3º Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH3) através da punição dos deputados Luiz Bassuma e Henrique Afonso, por serem defensores da vida, se posicionou pública e abertamente a favor da legalização do aborto, contra os valores da família e contra a liberdade de consciência.

"Na condição de Bispo Diocesano, como responsável pela defesa da fé, da moral e dos princípios fundamentais da lei natural que - por serem naturais procedem do próprio Deus e por isso atingem a todos os homens -, denunciamos e condenamos como contrárias às leis de Deus todas as formas de atentado contra a vida, dom de Deus,como o suicídio, o homicídio assim como o aborto pelo qual, criminosa e covardemente, tira-se a vida de um ser humano, completamente incapaz de se defender. A liberação do aborto que vem sendo discutida e aprovada por alguns políticos não pode ser aceita por quem se diz cristão ou católico. Já afirmamos muitas vezes e agora repetimos: não temos partido político, mas não podemos deixar de condenar a legalização do aborto. (confira-se Ex. 20,13; MT 5,21).

"Isto posto, recomendamos a todos verdadeiros cristãos e verdadeiros católicos a que não dêem seu voto à Senhora Dilma Rousseff e demais candidatos que aprovam tais "liberações", independentemente do partido a que pertençam.

"Evangelizar é nossa responsabilidade, o que implica anunciar a verdade e denunciar o erro, procurando, dentro desses princípios, o melhor para o Brasil e nossos irmãos brasileiros e não é contrariando o Evangelho que podemos contar com as bênçãos de Deus e proteção de nossa Mãe e Padroeira, a Imaculada Conceição.

"Dom Luiz Gonzaga Bergonzini"

 

Referencia: O Globo Online

jul 24

Saiba o real significado do plano do Programa Nascional de Direitos Humanos, o PNDH/3.

O Dr. Zenóbio Fonseca explica sobre o perigoso projeto, em um evento na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Rio de Janeiro:

 

 

 


Veja como você pode se mobilizar contra o PNDH/3 >>Clique aqui<<